O melhor bloco da região!

São Bento do Sapucaí - SP
 

História do Trinca o Caneco

Em janeiro de 2006, onze grandes amigos, todos naturais de São Bento do Sapucaí, se reúnem no “Bar do Milton” para tomar uma cerveja gelada. O papo é descontraído e rola solto até que surge então a ideia de se criar um clube para agitar a nossa cidade através da promoção de festas, churrascos, eventos, futebol e atividades de entretenimento. Todos empolgados com a sugestão decidem anotar em um guardanapo os nomes dos fundadores, mas ainda faltava um nome marcante e criativo. Mais tarde na “Choperia da Galeria Pedra d’água”, em mais um encontro descontraído e banhado a muito Chopp, os fundadores presentes chegam a um consenso!!! Surge então o clube TRINCA O CANECO que iria revolucionar e trincar de alegria a cidade de São Bento do Sapucaí e ela então nunca mais seria a mesma.

História do Bloco Trinca o Caneco

No Carnaval de 2007, em São Bento do Sapucaí, durante o tradicional desfile dos blocos na Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, os fundadores do Trinca o Caneco resolvem criar um bloco para desfilar no próximo carnaval de 2008. No primeiro ano de desfile, o carro de um amigo de São Paulo, Arlindo, que tinha um som “potente” puxou o bloco tocando um CD com samba enredo gravado e um refrão que conquistou a galera: “Trinca o Caneco eu vou, na avenida eu vou, bebendo todas eu vou, é carnaval amor…”, autoria de Affonso Guimarães. Mesmo com um “dilúvio”, o Trinca desfilou com muita empolgação e diversão, levantando a avenida. No ano de 2009 o Trinca o Caneco trouxe de volta a bateria do Ziriguidum que fizera muito sucesso na década de 90 para então compor o bloco e dar vida ao samba enredo. Sucesso total, e o Trinca o Caneco começou a se consolidar no carnaval Sambentista. A partir do carnaval de 2012 o clube resolve trabalhar com tema e surge então o “TRINCA O CANECO NA LIGA DA JUSTIÇA” e junto com ele na comissão de frente seus pais como abre alas fazendo um show na avenida, com muito samba no pé e simpatia. É tradição nas camisetas do Trinca o Caneco o número nas costas que indica a idade do clube.

História do Rááááhhhhh


O TRINCA O CANECO estava a todo vapor, vários churrascos, jogos do time de futebol, festas e reuniões, assim a amizade entre os componentes do grupo foi aumentando. Era comum todos se encontrarem no “Clube São Bento Social” em bailes para se divertirem, então em um certo baile um dos fundadores, querido por todos, sem que ninguém esperasse soltou o berro que mais tarde se tornaria o mais popular do Trinca (Rááááááááááahhhhhh). O criador foi Renato que mais tarde se transformaria em “Super Negatcho” com sua inesquecível fantasia e nos dias de hoje é conhecido apenas como “NEGATCHO”.

História do Bililiu


Antes da criação do Trinca o Caneco, “Negatcho” passava o carnaval em Diamantina com seus amigos da “DRU” liderados por “Magela”, “Canaverde” e cia. Por serem estudantes e sem dinheiro, consumiam bebidas de baixo nível vindas do submundo, mas que garantiam animação total durante o carnaval. Em uma dessas noites carnavalescas “Magela” e “Negatcho” criaram a maior bebida de todos os tempos, o “BILILIU” e após o feito saíram juntos gritando pela madrugada o bordão que ficaria famoso em todo canto do país: “Bililiu, Bililiu, todo mundo bebe e logo fica mil…”.
Apesar dessa história ainda existe uma lenda no “Monjolinho” que conta que “Negatcho” morava em Porto Alegre, sua vida era muito corrida, então resolveu se refugiar nos canyons de Cambará do Sul com um monge muito amigo de sua família. E por lá ficou durante 20 dias meditando e pensando na vida, então, para distraí-lo o monge lhe desafiou a criar uma nova bebida. Ele começou a testar ingredientes e com isso trabalhou noite e dia na busca de uma nova bebida que conquistasse o Brasil. Depois de muitas tentativas, muito trabalho e vários testes, ele finalmente chegou à fórmula ideal que procurava e em homenagem ao seu grande amigo monge, o mestre “Bilila”, batizou a bebida de “BILILIU”. E aí? Qual das versões é verdadeira?

Clube Atlético Trinca o Caneco – CATC


Como vivemos no país do futebol, o clube Trinca o Caneco também não poderia ficar de fora dessa paixão nacional, por isso, também criou seu time de futebol que e aguerrido, copeiro, com grandes craques e uma torcida apaixonada. Seu uniforme é nas cores azul e amarelo devido à raça demonstrada dentro dos gramados e a fanática torcida que lembram o clube argentino Boca Juniors. No seu primeiro jogo, o de estreia do uniforme, o Trinca o Caneco desafiou o time de Sapucaí Mirim que estava invicto há anos. Não deu outra, com um futebol bonito e envolvente a invencibilidade caiu, deu Trinca 2 X 1 com uma bela arbitragem de “Vilma” que acabou o jogo aos 30 minutos do segundo tempo devido às más condições do gramado do Benedito Gomes de Souza, mais conhecido como Beneditão da Mantiqueira. O estádio oficial do Trinca o Caneco é o “El Barracon”, a Bomboneira do Sapucaí com capacidade para 6 pessoas sentadas no “banquinho” atrás do gol, conhecida como cativa do Trinca, e mais 18.000 lugares para as pessoas apreciarem a partida em pé numa área verde aos arredores do gramado.

História do Bloco Zóio Gordo


Todos querem receber o Carnaval, grande festa popular, com muita alegria e espantar tudo de ruim. Pensando nisso, “Negatcho” e “Nati”, para festejar a chegada do carnaval e abrir oficialmente o carnaval do Trinca o Caneco, criaram o bloco do “ZÓIO GORDO”. Esse bloco desfila uma semana antes na avenida acompanhado da bateria do Ziriguidum, com muita empolgação e diversão. Os integrantes participam com diversos objetos, talismãs e amuletos que fazem parte da cultura popular brasileira, como espada de São Jorge, Arruda, trevo de quatro folhas, pé de coelho, olho de cabra, figa, ferradura de sete furos, dente de gato, chifre de touro, barbicha de bode, espinha de lambari, e qualquer outro objeto que espante a tristeza e o mau olhado. Se você conhece outro objeto ou amuleto que espante a tristeza, traga-o e venha para o “ZÓIO GORDO”.